Other Languages

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Liga Europa. Justiça chegou ao fim de 135 minutos

16 avos-de-final
2ª Mão

Fiorentina 2 Borussia Monchengladbach 4

Golos: Kalinic, Borja Valero - Stindl 3, Christensen

Nos primeiros 15 minutos, o Borussia manteve a qualidade demonstrada durante o jogo na Alemanha, tendo tido uma bola no poste, mas os italianos aplicaram a mesma receita com Bernardeschi novamente em evidência por ter assistido Kalinic para o primeiro golo.

O segundo golo de Borja Valero parecia ter matado o desafio e a eliminatória. 

Os alemães tiveram o primeiro momento de alegria durante os dois jogos depois de Stindl ter marcado uma grande penalidade antes do intervalo. 

Apesar de tudo ainda eram necessários mais dois golos frente a uma equipa que sabe defender.

O Borussia começou a segunda parte com uma enorme vontade de passar para a frente, colocando a nu os pontos mais fracos do adversário. Stindl chegou ao hat-trick em mais duas situações de bola parada. O verdadeiro calcanhar de aquiles da equipa de Paulo Sousa voltava a dar dores de cabeça.

A vantagem na eliminatória ficou concluída aos 60 minutos com um golo do central Christensen. Em 15 minutos, os alemães conseguiram concretizar o que não tinham feito em 135 minutos de jogo divididos entre o Borussia Park e o Artemi Franchi. 

Na posição de ter que assumir o jogo, a Fiorentina passou ao lado por culpa da excelente organização defensiva dos alemães. Os três golos dos viola na eliminatória surgiram em contra-ataque e num lance de bola parada. 

Liga Europa. Erros de Kane e Delle Alli estragaram início positivo dos Spurs

16 avos-de-final
2ª Mão

Tottenham 2 Gent 2

Golos: Eriksen, Wanyama - Harry Kane a.g, Perbet

Os Spurs caíram aos pés do surpreendente Gent, que apesar de não terem uma equipa fantástica conseguem fazer milagres na prova. 

O Tottenham adoptou uma postura mais ofensiva, bem diferente daquela que tinha utilizado na Bélgica. O primeiro golo de Eriksen aos 10 minutos parecia indicar uma noite tranquila em Wembley, mas dois erros dos jogadores dos Spurs deitaram tudo a perder.

O primeiro foi o auto-golo de Kane num pontapé de canto, e o segundo aconteceu com a expulsão de Delle Alli aos 40 minutos. As duas situações impediram que o Tottenham conseguisse asfixiar o adversário, mesmo com as entradas de Son e Harry Winks na segunda parte. 

Durante todo o encontro, o Gent manteve a estrutura e a ideia de jogo assente num bloco muito baixo, vigiando as unidades mais perigosas dos ingleses, sobretudo os ataques pelos flancos e causando perigo nas bolas paradas. 

Nem o golo de Wanyama desmontou a defesa do Gent porque em nenhum momento perderam concentração. 

O golo de Perbet num contra-ataque empatou a partida e sentenciou a eliminatória. Tendo em conta que nem sempre ganha a equipa mais espectacular, o Gent tem estratégia para chegar longe na prova.

Liga Europa. Apoel só precisou de duas oportunidades para dar a volta à eliminatória

16 avos-de-final
2ª Mão

Apoel Nicosia 2 Athletic Bilbau 0

Golos. Sotiriou, Gianniotas

A história da primeira mão não se repetiu por duas razões. Em primeiro lugar, o Apoel equilibrou o desafio, sendo melhor na primeira parte e eficaz no segundo tempo. A segunda razão tem a ver com a má exibição do Athletic, que só dominou nas estatísticas. 

O único aspecto que se manteve do primeiro para o segundo jogo foi o sentido de oportunidade dos cipriotas. Em dois lances consecutivos logo na segunda parte selaram o desfecho da eliminatória. 

Nestes jogos europeus não é fácil dar a volta sem ter jogadores que desequilibrem. Os bascos podem ter uma orientação colectiva importante, mas falta um génio para fazer face à vontade do adversário. 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Liga Europa. Belgas eliminam Zenit com apenas dois remates à baliza

16 avos-de-final
2ª Mão

Zenit 3 Anderlecht 1

Golos: Giuliano 2, Dzyuba -Kiese Thelin

Os belgas beneficiaram da velha máxima "quem não marca sofre". O domínio dos russos durante 90 minutos não serviu de nada, já que, Kiese Thelin fez o 3-1 perto dos 90 minutos no segundo lance de perigo do Anderlecht em todo o encontro.

O Zenit jogou muito melhor do que na Bélgica, tendo mais argumentos para contrariar a desvantagem de dois golos. Os belgas também assumiram que só estavam interessados em segurar o resultado, mesmo após os anfitriões fazerem o 2-0. A grande figura do primeiro jogo, Achaempong, praticamente não tocou na bola.

A titularidade de Danny deu mais qualidade aos russos, embora os principais protagonistas tenham sido Dzuyba e Giuliano. O número 7 tem sido um bom substituto de Hulk. 

A frieza e o cinismo são duas características pouco aceitáveis num desporto que tem como objectivo jogar bem para chegar ao golo. O Anderlecht foi melhor na primeira mão, mas o segundo jogo mostra que são um alvo fácil na próxima ronda.

Liga Europa. Tarefa fácil para o campeão grego

16 avos-de-final
2ª Mão

Osmanlispor 0 Olympiacos 3

Golos: Ansarifard 2, Elyounnoussi

A equipa de Paulo Bento segue em frente na competição após uma vitória na Turquia. A primeira parte deu sinais de superioridade dos gregos, mas a defesa dos anfitriões conseguiu parar as ameaças. 

No segundo tempo, a velocidade do ataque grego desgastou o adversário logo aos três minutos. A falta de qualidade do Osmanlispor ditou o desfecho final do encontro. 

O Olympiacos domina no plano interno, embora nas competições europeias seja necessário algo mais para ser considerado candidato ao título. 

Champions League. Marcaram-se 34 golos na primeira mão


A primeira mão dos oitavos-de-final fica marcada pela qualidade dos jogos, emoção, alternância nos resultados e uma chuva de golos que dificilmente se vai repetir na segunda volta. 

A maioria dos desafios continuam em aberto porque o número de golos marcados fora de casa permitem recuperações às equipas que se encontram em desvantagem e jogam em casa na segunda mão.

As duas grandes surpresas aconteceram no estádio da Luz com a vitória do Benfica sobre o Borussia Dortmund e a goleada do PSG ao Barcelona. Os encarnados mostram que estão mais preparados para defrontar equipas de topo, podendo ser uma das sensações da prova, a par do Sevilha. Se o Benfica e os andaluzes passarem aos quartos-de-final vão ser dois ossos bem duros de roer.

A armada espanhola continua representada com quatro equipas, mas o gigante Barcelona tem de fazer um milagre para dar a volta à desvantagem de 0-4. O Real Madrid também viaja para Nápoles com um resultado perigoso. 

As formações francesas são as que se apresentam em melhor forma, apesar do resultado negativo do Mónaco em Inglaterra. No entanto, tudo continua em aberto para a equipa de Leonardo Jardim porque apresenta melhor estrutura táctica. 

STATS

O número de golos nesta ronda foram 34, sendo que, registaram-se grandes obras de arte protagonizadas pelos craques. Curiosamente, Messi ficou em branco, apesar de liderar a lista dos melhores marcadores, mas sente a aproximação de Cavani e Lewandowski. Os dois podem continuar em prova, enquanto o argentino está a 90 minutos de dizer adeus à competição. Nas assistências, destaque para Cristiano Ronaldo que tem Neymar a dois de distância. O brasileiro também deve abandonar o palco. 

O Benfica tem motivos para festejar porque conseguiu uma vitória importante graças à forma como Fejsa consegue parar os ataques do adversário. O sérvio ascendeu ao topo da lista dos jogadores com mais faltas, tendo apenas menos duas que o sevilhano Franco Vázquez. No plano disciplinar, Fernandinho e Verratti contam com 4 amarelos e não há qualquer jogador com dois cartões encarnados.

Melhores da Jornada

Melhor Equipa
PSG
A goleada ao Barcelona fica na história da competição e do clube. Uma exibição perfeita do meio-campo e do ataque inferiorizaram os catalães. A qualidade individual dos jogadores franceses está ao nível dos melhores, mas em termos colectivos ultrapassaram a má temporada no campeonato. Os médios-centro articularam muito bem com o trio da frente. 

Melhor jogo
Manchester City - Mónaco
Numa jornada em que todos os jogos foram bons, a escolha recai sobre o desafio com mais golos. Se Falcão tivesse marcado a grande penalidade o resultado final seria 5-4. A alternância no marcador também merece destaque. O City começou a ganhar, mas os franceses viraram o jogo para 1-2. Os ingleses empataram, e o Mónaco colocou-se novamente em vantagem. A partir do 2-3 só deu mesmo City com três golos em 12 minutos. Espectacular!

Melhor jogador
Angel Dí Maria
A magia do craque argentino permitiu ao PSG humilhar o Barcelona. Pena que só apareça de vez em quando, mas Di Maria tem muito futebol nos pés, acrescentando velocidade só ao alcance dos melhores. O corpo franzino pode ser uma desvantagem, mas raramente alguém o consegue apanhar.

Sinais

+ O número de golos marcados mostra vontade em dar espectáculo

+ Falcão aparece novamente nos grandes palcos europeus

+ Vitória do Benfica sobre o B.Dortmund 

+ Exibições de Cristiano Ronaldo, Di Maria, Zivkovic e Nasri confirmam que os melhores jogadores do mundo jogam nas alas

+ Sevilha será candidato ao título se chegar aos quartos-de-final

- Arsenal sem qualidade para fazer face ao Bayern Munique

- Leicester confirma má segunda metade da temporada

- Derrota do Barcelona


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Champions League. Vardy deu a última esperança aos campeões ingleses

Oitavos-de-final 
1ª Mão

Sevilha 2 Leicester 1

Golos: Sarabia, Correa - Vardy

A diferença de qualidade das equipas é enorme, mas o Leicester aproveitou a única oportunidade de golo que teve durante todo o jogo para decidir a eliminatória em casa.

Os andaluzes quiseram acabar com a eliminatória no primeiro tempo, criando várias ocasiões, embora só tivessem concretizado o 2-0 aos 65 minutos por Correa. As situações deveriam ter dado para marcar uma mão cheia de golos, até porque desperdiçaram uma grande penalidade, mas na baliza o nome Schmeichel pesa para qualquer adversário. 

O problema do Leicester tem a ver com a falta de qualidade dos dois homens responsáveis por dar velocidade. Drinkwater e Ndidi são jogadores destrutivos, nada percebendo de construção. Os campeões ingleses são totalmente previsíveis com lançamentos longos, em particular para os médios mais ofensivos, Albrighton, Musa e Mahrez, que gostam de trocar de posições. A missão dos três é meter a bola na área, independentemente se Vardy consegue chegar a tempo. 

O Sevilha combateu o futebol físico dos ingleses com velocidade, técnica e remates fora da área. Só mesmo o dedo de um grande treinador consegue dar equilibrio a uma equipa jogando com Nasri, Jovetic, Sarabia e Vitolo, mantendo sempre os defesas laterais adiantados no terreno, actuando como segundos-extremos. Os dois primeiros renasceram para o futebol no Sanchez Pizjuan.

Um confronto interessante entre dois estilos diferentes. Na segunda mão cada equipa terá de adoptar uma postura diferente devido ao resultado. Mesmo assim, os espanhóis continuam em vantagem porque são melhores a defender do que os ingleses a atacar.

Man of the Match: Jovetic