Poste Direito - À procura de maior protagonismo

A guerra entre Benfica e Sporting não tem fim porque os clubes querem ter supremacia sobre o outro, não só dentro de campo, mas também fora dele. Não se trata de um conflito jogado na cidade de Lisboa, mas a nível nacional, já que, as duas formações têm estatuto nacional, apesar do Benfica ser Sport Lisboa e os leões serem conhecidos internacionalmente como Sporting Lisbon. 

Nem mesmo no Norte e na cidade Invicta, onde impera outro exército, as rivalidades deixam de ser visíveis. 

A saída de Jorge Jesus do Benfica para o Sporting deixou marcas nas relações institucionais entre os clubes. No entanto, também teve efeitos negativos em cada massa associativa. A vingança foi a palavra mais utilizada pelos benfiquistas na temporada passada sempre que eram pisados pelo treinador e presidente do clube leonino através da comunicação social. Os erros cometidos por Bruno de Carvalho alteraram a estratégia para a nova temporada.

Neste momento, temos uma troca de palavras entre os directores de comunicação que se estreiam no mundo da bola. Contudo, os dirigentes sentiram necessidade de se exporem na semana passada no grande ecrã. Bruno de Carvalho não quis ficar atrás de Luís Filipe Vieira e também teve direito a uma entrevista. Os dois foram aos canais generalistas transmitir as ideias para a nova época. A pergunta que se coloca é saber se os canais dos clubes já não têm utilidade porque é preciso ir ao sinal aberto começar a luta.

É verdade que a questão Jesus ficou mais calma com o título do Benfica, mas os dois lados querem provar que são os melhores. Enquanto isso os dois presidentes vão continuar à procura de protagonismo. Como se viu Vieira ainda não esqueceu o antigo treinador e o líder leonino continua a pensar nos vouchers que o Benfica oferecia aos árbitros. 

Comentários

Mensagens populares