Liga NOS. Flavienses mostraram maior qualidade no último terço do terreno

25ª jornada

Desp.Chaves 0 Sp.Braga 0

MVP: Patrão - Pedro Santos

Um empate com sabor a injustiça para os flavienses. Neste confronto, deu para perceber a evolução da equipa de Ricardo Soares face ao trabalho desenvolvido por Jorge Simão, sendo que, neste momento, os flavienses também jogam mais à bola que os guerreiros.

Os bracarenses mantiveram a aposta no 4x2x3x1 que permitiu a primeira vitória em sete desafio frente ao Arouca, mas o meio-campo flaviense conseguiu neutralizar Vukcevic, Assis e a pedra mais importante, que se chama Pedro Santos. Também havia ordem para os guerreiros jogarem a passo. 

Apesar do risco na segunda parte com as entradas de Stoijlijkovic e Rodrigo Pinho, mantendo Rui Fonte, o Sp.Braga não foi a equipa mais perigosa. As grandes oportunidades pertenceram aos anfitriões.

A explicação para o melhor aproveitamento dos flavienses está relacionado com a velocidade, agressividade e vontade de vencer. 

Os ataques do Sp.Braga acabavam sempre num cruzamento cortado pelos centrais, com destaque para a exibição de Carlos Ponck. Nunca houve aproveitamento da estatura do avançado sérvio, nem da mobilidade de Rui Fonte. Por seu lado, os lances flavienses fizeram tremer a defesa adversária. Neste capítulo, Braga tinha sempre espaço para progredir com a bola, Nélson Lenho cruzou como e quando quis e Patrão podia ter feito dois ou três golos através de remates fora da área.

Apesar do mau jogo, o Sp.Braga apresenta melhorias no controlo do jogo, sobretudo por causa da inclusão dos três médios, mas agora falta treinar a ligação entre os homens mais avançados. A solução não passa por estar o jogo todo a cruzar para a grande área do adversário.

Comentários

Mensagens populares