Champions League. Juventus passou eliminatória porque não permitiu ser asfixiada

Quartos-de-final
2ª Mão

Barcelona 0 Juventus 0


Os catalães não conseguiram o mesmo resultado alcançado frente ao PSG porque a exibição não foi a mesma, sobretudo ao nível da eficácia. 

O treinador Luis Enrique apostou nas mesmas ideias para o desafio contra a Juventus, colocando três centrais, mantendo o mesmo meio-campo e o trio MSN. O técnico espanhol não contava com a postura positiva dos italianos, o que obrigou a Iniesta e Rakitic recuarem no terreno para impedir o desequilíbrio dos laterais Dani Alves e Alex Sandro. Na hora de atacar faltaram movimentos e forças....

No primeiro tempo, as duas equipas repartiram as ocasiões de golo, mas o nulo manteve-se. O jogo deveria ter tido mais golos para compensar o esforço colectivo e individual.

A Juventus recuou as linhas no segundo tempo porque continuava em vantagem. O Barcelona canalizou pouco jogo pelos flancos para explorar as fraquezas dos laterais brasileiros a defender. O grande erro foi ter insistido em jogar pelo centro da grande área, congestionada pela muralha defensiva capitaneada por Chiellini e Bonucci. Os jogadores catalães são dotados tecnicamente, mas a altura é um grande problema. Messi ficou encarregado de ter a iniciativa, em particular depois da entrada de Paco Alcacer para a saída de Rakitic. O craque argentino jogou melhor do que em Turim, mas mesmo assim não se tratou dos melhores desafios nesta temporada.

Os remates de longe acabaram por ser a última tentativa dos anfitriões de tentar uma surpresa que nunca esteve para acontecer. A Juventus mostrou argumentos ofensivos na primeira mão e defensivos no segundo jogo para vencer o Barcelona. Na eliminatória anterior, bastava ao PSG ter mostrado menos medo para poder discutir a passagem às meias-finais com o campeão italiano.

Man of the Match: Chiellini

Comentários