História dos Mundiais: Espanha 1982



As cinco selecções estreantes, Argélia, Camarões, Honduras, Nova Zelândia e Kuwait, não conseguiram passar à segunda fase do torneio que contou com três fases devido à participação de 24 equipas. 

A lei do mais forte imperou, mas a Alemanha Ocidental e a Áustria protagonizaram uma situação curiosa na primeira fase de grupos. Na última jornada, os alemães e a Argélia precisavam de vencer para seguir em frente, sendo que, a vantagem estava do lado dos europeus. As duas equipas ganharam, mas a Áustria não ofereceu oposição depois de ter sofrido o golo aos dez minutos por Hrubesch. A maior goleada do torneio e da história das competições registou-se também nesta fase. A Hungria goleou a selecção de El Salvador por 10-1, mas nem dessa forma conseguiu o apuramento. 

Na segunda fase, o primeiro classificado de cada grupo composto por três equipas alcançava as meias-finais. No grupo 1, o hat-trick de Boniek à Bélgica possibilitou o apuramento da Polónia porque o goal-average era melhor em relação à União Soviética. No grupo 2, os alemães garantiram o primeiro posto com mais tranquilidade, já que, venceram a Inglaterra e empataram com a Espanha. No 3, três campeões mundiais iriam decidir o único poleiro disponível. A Itália venceu a Argentina com golos de Tardelli e Cabrini. O Brasil também arrumou o velho rival por 3-1, tendo melhor goal-average antes do jogo decisivo contra os italianos. Contudo, uma grande exibição de Rossi com três golos possibilitou o apuramento. Sócrates e Falcão deram luta, mas o Brasil ficava pelo caminho. No grupo, os franceses ganharam tranquilamente sobre a Áustria e a Irlanda do Norte. 

Nas meias-finais, Paolo Rossi voltou a destacar-se com mais dois golos frente à Polónia. No outro jogo, os franceses e alemães protagonizaram um excelente jogo com seis golos em 120 minutos. Littbarski e Platini marcaram no tempo regulamentar. No prolongamento, a França colocou-se em vantagem por Trésor e Giresse, mas Rummenige e Fischer reduziram antes e depois do intervalo do tempo extra. As duas selecções estrearam a terceira forma de desempatar nas eliminatórias. As grandes penalidades foram aprovadas no Mundial 1978, embora só mais tarde tenham sido colocadas em prática. A Alemanha ganhou o direito de regressar à final porque Bossis falhou o sexto penalti. 

Na final realizada no Santiago Bernabéu, os italianos não deram hipótese, embora só tenham marcado na segunda parte. Rossi, Tardelli, e Altobelli marcaram e Breitner reduziu aos 83 minutos. 

A Itália também conquistou os outros prémios relevantes. Paolo Rossi fez a dobradinha com os títulos de melhor jogador e goleador, além de marcar presença no onze ideal da competição. Os 11 golos marcados no Hungria-El Salvador possibilitaram que a competição tivesse 146 tentos.

Comentários