segunda-feira, 4 de junho de 2018

Histórias dos Mundiais: Itália 1934



A segunda edição do Campeonato do Mundo teve duas originalidades, que nunca mais se voltaram a repetir. A primeira foi a necessidade do país anfitrião realizar uma qualificação para jogar o torneio. Em segundo, o campeão do mundo em título não defendeu o troféu.

Os representantes europeus estiveram em vantagem, já que, a maior parte das equipas sul-americanas não mostrou disponibilidade para viajar para a Europa, à semelhança do que sucedeu com as selecções europeias quatro anos antes. No entanto, Brasil e Argentina compareceram, além dos Estados Unidos que ganhou a última vaga num confronto com o México efectuado na capital italiana. O Egipto também participou como sendo a primeira selecção africana a participar num Mundial. 

As formações europeias confirmaram o favoritismo, conseguindo apurarem-se todas para os quartos-de-final. A Itália não teve dificuldade em despachar os norte-americanos por 7-1. A Espanha venceu o Brasil por 3-1. A Hungria também não facilitou perante o Egipto, enquanto a Suécia só ultrapassou os argentinos aos 79 minutos com um golo de Kroon. A taça de campeão do mundo iria ficar no Velho Continente. 

Os jogos mais equilibrados sucederam-se nos quartos-de-final. A eliminatória entre a Itália e a Espanha ficou decidido no jogo de desempate, já que, no primeiro duelo as duas equipas empataram a uma bola, com golos de Ferrari e Regueiro. No dia 11 de Junho em Florença, Meazza carimbou aos 11 minutos o passaporte para as meias-finais. 

Nos restantes desafios, Áustria, Checoslováquia e a Alemanha venceram com um golo de vantagem a Hungria, Suíça e a Suécia, respectivamente. 

Os anfitriões continuaram na senda vitoriosa, embora sempre com algum sofrimento. Nas meias-finais um golo de Guaita aos 19 minutos contra a Áustria foi suficiente para marcar presença na primeira final de um Mundial. O mesmo aconteceu à Checoslováquia que cilindrou os alemães com um hat-trick de Nejedly, que se tornou no melhor marcador da prova com cinco golos.

No dia 10 de Junho, a Itália defrontou e venceu a Checoslováquia por 2-1 no Estádio Nacional em Roma, em mais um duelo equilibrado. O resultado final ficou decidido aos 95 minutos com um golo de Schiavio. Os golos só apareceram a vinte minutos, com Puc a marcar aos 71, e Orsi a restabelecer a igualdade dez minutos depois. 

No Itália 1934 marcaram-se os mesmos números de golos que na edição anterior, representando 4,12 golos pelas 17 partidas. O histórico Giuseppe Meazza levou o troféu de melhor jogador numa prova que contou com 358 mil espectadores nas bancadas.

Sem comentários:

Enviar um comentário