sábado, 16 de junho de 2018

World Cup 2018. Messi responde negativamente à primeira situação de pressão individual

Grupo D
1ª jornada

Argentina 1 Islândia 1

Golos: Sergio Aguero - Finnbogason


Os argentinos são a primeira selecção considerada como favorita a perder pontos. Uma exibição cinzenta que culminou com um resultado que pode impedir a passagem à segunda fase. 

A equipa capitaneada e liderada por Leonel Messi iniciou o jogo com uma pressão forte sobre o adversário, mas a primeira grande oportunidade pertence a Bjarnason aos 9 minutos. O jogador que marcou o primeiro golo da Islândia em fases finais de grandes competições no desafio frente a Portugal no Euro 2016, voltou a aparecer bastantes vezes na grande área. 

O controlo territorial dos sul-americanos produziu efeitos práticos depois dos 15 minutos. Messi rematou de longe, e dois minutos depois, Sergio Aguero recebe a bola de costas e faz uma excelente rotação para o golo inaugural. Os festejos duraram pouco tempo porque a Islândia empatou aos 22 minutos, numa jogada iniciada por Sigurdsson no lado direito do ataque e finalizada por Finnbogason no centro da pequena área, num lance em que a defesa argentina fica bastante mal na fotografia. 

A pressão forte que se verificou nos início da partida terminou por duas razões. Mascherano deixou de subir com a bola para o meio-campo ofensivo. Por sua vez, Messi tinha de vir à linha que divide o relvado para conduzir os ataques, sendo que, ainda precisava de ultrapassar uma parede composta por Hallfredsson, Bjarnason e na segunda parte por Gunnarsson. 

O último lance de perigo na primeira parte pertenceu aos europeus. Num lance individual na grande área, Sigurdsson efectuou um remate complicado para Caballero depois de fintar Meza. 

As intenções da Argentina em acelerar o ritmo confirmaram-se com a entrada de Banega para o lugar de Biglia. O número 7 conseguiu penetrar na zona defensiva do adversário, o que nem sempre aconteceu com Leonel Messi. A mudança efectuada por Sampaoli resultou, já que, aos 62 minutos, a equipa ganha um penalti, mas o capitão desperdiça, embora também seja preciso dar o mérito ao guardião adversário. Halldorsson voltou a brilhar aos 86 minutos num remate traiçoeiro de Pavón. 

Apesar de falhar uma grande situação, Messi não se deixou afectar, crescendo no jogo, sobretudo depois da entrada de Pavón. O número 10 tentou compensar a equipa pelo erro individual, com o nono remate durante a partida em 86 minutos.

A dependência da restante equipa relativamente a Messi é uma evidência. O penalti falhado prova que existe demasiada responsabilidade nos ombros de um jogador.

Os islandeses entram para a história com a conquista do primeiro ponto em fases finais de mundiais, garantindo, no mínimo, o direito de sonhar com o apuramento para os oitavos-de-final.

Sem comentários:

Enviar um comentário